89,9% dos profissionais de cibersegurança e segurança da informação nunca esteve desempregado

Cibersegurança Notícias

A AP2SI divulgou, esta semana, o resultado do estudo sobre profissionais de cibersegurança e segurança da informação em Portugal, ao qual a Security Magazine se juntou como parceira de divulgação.

Com um total de 367 respostas, o estudo permite retirar algumas conclusões interessantes e confirmar outras que fazem parte da realidade mundial nesta área de actividade.

Destaque para o facto de 89,9% dos inquiridos nunca ter passado por uma situação de desemprego desde que desempenha estas funções, desempenhando a função há cinco anos ou menos. 47% revela nunca ter mudado de emprego desde que tem funções na cibersegurança e segurança da informação e 37% mudou entre uma a duas vezes.

Relativamente aos salários auferidos, 31,8% avança com um valor entre os 20.000  e 35.000 euros, seguido de pelo intervalo de 35.000 a 50.000 euros e menos de 20.000.

– 91% dos inquiridos são homens;

– 34,9% tem entre 31 e 40 anos e 31,6% tem entre 41 e 50 anos;

– 56,4% dos inquiridos trabalham na Área Metropolitana de Lisboa;

– 55% têm uma licenciatura pré-Bolonha ou Mestrado

– 29,8% trabalha em serviços de telecomunicações e tecnologia de informação;

– 48% desempenha a função há cinco anos ou menos;

– 47% nunca mudou de emprego desde que desempenha funções em cibersegurança ou segurança da informação;

– 89,9% nunca esteve desempregado desde que exerce uma função ou adquiriu formação em cibersegurança ou segurança da informação;

– 79,7% trabalha por conta de outrem;

– 53,2% desenvolve actividade unicamente na cibersegurança ou segurança da informação;

– Dos 46,8% que tem outras atividades, 73,8% reparte o tempo de forma equilibrada;

– 31,8% aufere entre 20.000 e 35.000 euros

– 71,9% considera o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal muito importante.

A associação teve como objectivo “obter um melhor entendimento sobre os profissionais que desenvolvem a sua atividade na área da cibersegurança e segurança da informação” em Portugal. Uma área que, segundo aponta, “foi a que mais transformações sofreu” nos últimos 20 anos, tendo “uma abrangência significativa em termos de áreas do saber e experiência”.

Mais conclusões do estudo disponíveis no site da AP2SI.

O estudo foi desenvolvido com o apoio do Centro Nacional de Cibersegurança e pelo Observatório de Cibersegurança e contou com o apoio da divulgação da Security Magazine, APSEI e Landing Jobs.