Mercado da segurança privada cresce 7,8% em Portugal

Notícias Segurança Privada

A recuperação económica portuguesa favoreceu o crescimento do valor do mercado de segurança privada no período 2015-2019, depois de vários anos de uma tendência de crescimento mais baixa. Esta é uma das conclusões do estudo da DBK, recentemente lançado.

De acordo com o estudo, as empresas de segurança privada analisadas registaram um volume de negócios de 880 milhões de euros em 2019, o que corresponde a um crescimento de 7,6% face a 2018.

A actividade de vigilância continua a gerar a maior parte dos lucros das empresas de segurança. A facturação neste segmento aumentou 8,1% em 2019, situando-se nos 615 milhões de euros, o que corresponde a 69,9% do total. O transporte de valores absorveu um volume de negócios de 66 milhões de euros, mais 1,5% que no ano anterior.

Já os lucros provenientes da instalação, manutenção e gestão de sistemas de segurança mostraram um comportamento dinâmico, com um crescimento de 8,2%, alcançando os 199 milhões de euros, 22,6% do valor total de mercado.

As previsões de evolução do sector apontam para um recuo significativo na facturação de 2020, aponta a DBK, devido ao impacto da pandemia Covid-19 que levou a uma quebra na procura.

O estudo conta com a participação de 40 empresas do sector em Portugal. As cinco primeiras empresas concentram 59,3% do valor total de mercado e as 10 primeiras 78,8%., o que denota uma forte concentração do mercado.

Espanha cresce 4%

O mercado espanhol de segurança privada registou um crescimento de 4% no último ano, face ao ano anterior, alcançando um volume de negócios de 4.855 milhões de euros, “um máximo histórico”, diz a DBK.

Os serviços de vigilância, apesar do alto grau de maturidade, continuam a ser a principal área de actividade. O volume de facturação gerado pelos operadores do sector alcançou os 2.650 milhões de euros em 2019, concentrando 54,6% do total.

Já o mercado da actividade de instalação, manutenção e ligação à CRA de sistemas electrónicos alcançou um volume de 1.830 milhões de euros, concentrando 37,6% do total, actuando como o principal impulsionador do crescimento do negócio.

No caso do transporte de valores, o volume de negócios alcançou os 375 milhões de euros, representanto 7,7% do total.

Também em Espanha se prevê um recuo da actividade devido à pandemia de Covid-19.