Cibersegurança: Siemens e NATO fecham acordo de cooperação

Cibersegurança Notícias

A Siemens Smart Infrastructure e o Cooperative Cyber Defence Centre of Excellence da NATO (CCDCOE) assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para prosseguir a cooperação em matéria de cibersegurança para infra-estruturas críticas.

O exercício anual de ciberdefesa de alto nível Locked Shields, organizado pelo CCDCOE, constitui um pilar fundamental para a construção conjunta de capacidades de defesa.

Com o novo acordo, as partes avançam com a cooperação existente em matéria de formação em cibersegurança para as redes de energia. Ao experimentar o software de controlo de redes Spectrum Power, a Siemens obtém conhecimentos valiosos sobre os potenciais vectores de ataque e pode testar exaustivamente novas características ou protocolos de segurança para os seus produtos e soluções.
A forma como as redes são operadas e geridas mudou fundamentalmente nos últimos anos, com a integração de fontes de energia mais renováveis e descentralizadas. A necessidade de optimização da rede, interacção e o número de novos participantes no mercado aumentaram significativamente. Com a tecnologia de informação e comunicação a penetrar nas redes de transmissão e distribuição, as crescentes interligações criam mais vectores para potenciais ataques às redes de energia digital. Consequentemente, a cibersegurança é uma prioridade máxima para os operadores de sistemas de energia e organismos governamentais.
Desde 2010, o Locked Shields é um exercício anual de defesa cibernética organizado pelo CCDCOE da NATO para treinar equipas de resposta cibernética para se defenderem contra ciberataques maciços. A Siemens associou-se ao CCDCOE da NATO desde 2017 para incluir cenários de redes eléctricas no exercício de defesa, que inclui sistemas e produtos como o Siemens Spectrum Power e unidades terminais remotas Sicam A8000. Estes ajudam a satisfazer cenários complexos de redes de energia com centros de controlo e subestações que estão interligados e interdependentes.

No exercício, os defensores têm de definir as linhas de defesa de uma infra-estrutura complexa, incluindo vários sistemas e aplicações que devem resistir a ciberataques maciços executados por um grande grupo de hackers. Manter as luzes acesas enquanto se realiza a caça à ameaça, reportar ataques e recuperar o sistema são algumas das tarefas desafiantes com as quais os especialistas em segurança cibernética aprendem a lidar neste exercício. O Locked Shields é uma oportunidade de aprender através de exercício, treino e cooperação no campo das operações cibernéticas de defesa.

Robert Klaffus, CEO da Siemens Digital Grid, afirmou: “As redes de energia e tudo o que lhes está ligado formam a espinha dorsal das sociedades modernas e são, portanto, alvos atraentes para os hackers. A aprendizagem e experiência com o exercício Locked Shields são essenciais para a segurança e protecção das redes de energia. Com a cooperação avançada com o CCDCOE da NATO, a Siemens pode adquirir conhecimentos valiosos sobre novas formas de ataques e sobre como enfrentar os desafios da cibersegurança em evolução nas redes de energia digitais. Estes conhecimentos são aplicados a novos desenvolvimentos do nosso portfólio”. Um exemplo de teste de novas características como parte desta cooperação é o protocolo de comunicação padrão aberto OPC UA PUB/SUB, que é aplicado a muitas aplicações IoT.
Jaak Tarien, Director do CCDCOE da OTAN, afirmou: “A nossa cooperação a longo prazo com a Siemens na formação dos ciber-peritos para proteger infra-estruturas críticas em geral e redes de energia em particular tem sido um trunfo importante para os exercícios técnicos de ciberdefesa do CCDCOE da NATO. Com o objectivo de reforçar a interacção entre os diferentes intervenientes na ciberdefesa, de aprofundar a cooperação e o intercâmbio das melhores práticas, este acordo leva a nossa cooperação a um novo nível. As nossas sociedades dependem de infra-estruturas críticas fortes e resilientes. Consequentemente, há um valor real na nossa parceria para fazer avançar a cibersegurança juntamente com os principais parceiros da indústria, como a Siemens Smart Infrastructure”.