Biometria é a escolha dos consumidores mais velhos

Banca Cibersegurança Notícias

Um novo relatório de cibercrime da AARP revela que as pessoas com 55 anos ou mais estão a adoptar práticas de protecção de dados mais seguras para se protegerem do roubo de identidade. E estes consumidores são os mais abertos ao reconhecimento facial e à digitalização biométrica de impressões digitais para segurança.

Os consumidores na faixa etária dos 50 e 60 anos são os que mais precauções tomam para evitar perdas subsequentes de informação pessoal. Com 55 anos e mais velhos, por exemplo, reportam a sua inscrição em programas de controlo de crédito ou de protecção de identidade.

Os consumidores com 65 ou mais anos resistem a mais mudanças, mesmo depois de terem sido vítimas de um esquema fraudulento, de acordo com um relatório elaborado pela Javelin Strategy & Research para a associação de reformados.

Constatou que 70 por cento dos consumidores mais velhos que foram vitimas mantêm os seus hábitos de segurança obviamente ineficazes. “Pode ser a inércia da conveniência ou as políticas de responsabilidade zero que são padrão com a maioria dos cartões de crédito”, de acordo com o relatório.

Vinte e seis por cento dos consumidores com 65 anos ou mais declararam ter sido vítimas de fraude, e 27 por cento de todos os consumidores declararam ter sido atingidos.

Por exemplo, as pessoas com 55 anos ou mais, de acordo com um relatório de inquérito, querem esmagadoramente que os seus bancos utilizem a biometria das impressões digitais e o scanning facial para proteger o seu dinheiro.

Noventa por cento estão prontos a utilizar o reconhecimento de impressões digitais. E cerca de 80 por cento confiariam no uso do reconhecimento facial para a banca.

Numa reviravolta relacionada o relatório concluiu que uma maior percentagem de pessoas com 55 anos ou mais de idade utiliza semanalmente a banca online do que a percentagem de consumidores com idades compreendidas entre os 18 e os 44 anos.