“A actual pandemia trouxe impactos inesperados”

Cibersegurança Conteúdo Premium

Nuno Nogueira, director pré-venda e gestão de projectos da Decunify, avançou à Security Magazine que a gestão de risco com assets e informação distribuídos “não era uma realidade para muitas empresas”. A aprendizagem e a mudança “aconteceram com falta de tempo de adaptação”, o que fez com que “a pandemia trouxesse uma evolução e uma celeridade na adopção de algumas tecnologias sem ímpar”.

Security Magazine – Como tem evoluído a percepção do ciber risco por parte das empresas em Portugal?

A preocupação para o ciber risco tem estado cada vez mais presente no quotidiano das empresas em Portugal. Actualmente não existem gestores de IT que não tenham essa preocupação, pois cada vez mais a consciência que o risco é iminente é uma realidade, existindo cada vez mais planos e estratégias integradas multilayer contra as potenciais ameaças que uma organização pode sofrer.

Ainda não é uma realidade portuguesa a existência de um CISO, na maior parte das organizações, mesmo nas de grande dimensão, mas a médio prazo creio que caminharemos nesse sentido.

Quais são as principais motivações de compra por parte dos clientes ao nível de produtos/soluções de cibersegurança?

A motivação é simples. Criar estratégias de defesa e minimização de impacto a um ataque de cibersegurança. Tem existido um investimento nestas áreas, nem sempre com um carácter holístico, mas de um modo geral vamos evoluindo na capacidade de defesa das organizações.

Algo que trouxe benefícios significativos, foi o desenvolvimento de soluções de AI e ML por parte da esmagadora maioria dos fabricantes de soluções de segurança, que revolucionaram o método e a agilidade na defesa contra potenciais ataques. 

Considera que a actual pandemia trouxe impactos à estratégia de gestão de risco das empresas? Que aprendizagens podem retirar empresários e profissionais desta situação?


Claramente a actual pandemia trouxe impactos inesperados, tendo sido realçadas e aperfeiçoadas as soluções de acesso remoto, e protecção de dispositivos, algumas que eram inexistentes em algumas empresas.

A gestão de risco com assets e informação distribuídos não era uma realidade para muitas empresas e a aprendizagem e a mudança aconteceram com falta de tempo de adaptação, o que fez com que a pandemia trouxesse uma evolução e uma celeridade na adopção de algumas tecnologias sem ímpar.

Seguramente após esta situação, estaremos ainda mais preparados para uma transformação digital mais integrada na sociedade.