Portugal em 42º lugar em matéria de cibersegurança

Cibersegurança Notícias

O Global Cybersecurity Index coloca Portugal na 42ª posição a nível mundial, relativamente ao seu compromisso com cibersegurança, com um valor de 0,758. A nível europeu, o país ocupa a 25ª posição.

A nível global destacam-se claramente os países europeus e mais desenvolvidos do Ocidente, atrás dos países de África e América do Sul, onde existe uma ampla margem de melhoria, sobretudo nos aspectos legislativos e de desenvolvimento de capacidades.

48% dos países a nível mundial não dispõe de uma Estratégia Nacional de Cibersegurança e 44% não dispõe de uma equipa de resposta a incidentes a nível nacional (dados de 2018).

Por regiões, em África destacam-se as Maurícias, Quénia e Ruanda, na América, destacam-se os EUA, Canadá e Uruguai. Já nos estados árabes, a Arábia Saudita, Omã e Catar são os melhores classificados. A região da Ásia – Pacífico conta com Singapura, Malásia e Austrália como os países com melhor classificação.  No caso da Europa, o Reino Unido, França, Lituânia e Estónia são os que têm melhor classificação. Ao nível da comunidade de estados independentes, destacam-se a Rússia, Cazaquistão e Uzbequistão.

Comparativamente com os anos anteriores, a última edição desta análise mostra uma melhoria em praticamente todos os Estados examinados. A nível global, verifica-se um progresso maior no pilar “legal”. Vários países africanos aprovaram novas leis sobre crimes informáticos e protecção de dados. No caso do pilar “organizacional”, alguns países actualizaram as suas estratégias nacionais de cibersegurança e outros estão em processo de elaboração. Apenas 53% dos países realizam avaliações de riscos de cibersegurança, algo essencial para focalizar os recursos.

No futuro, a cooperação, segundo o estudo, desempenhará um papel importante no desenvolvimento da cibersegurança, com um crescente interesse da partilha e transferência de conhecimentos sobre cibersegurança, assumindo-se como um factor chave. A partilha deverá ocorrer entre diferentes entidades, como o governo central, autoridades públicas locais, sector privado, academia, sociedade civil e organizações internacionais. O estudo recomenda o diálogo e a actividade de fóruns internacionais.

Este index conta com a participação de 155 países (o questionário é enviado para os 193 países) e é desenvolvido pela União Internacional de Telecomunicações das Nações Unidas (ITU), um organismo cuja actividade se centra nas tecnologias de informação e comunicações. O organismo realiza um estudo periodicamente aos diferentes estados membros, no sentido de medir o compromisso dos países com a cibersegurança. Além disso, o projecto procura promover estratégias governamentais para fomentar a cultura global de cibersegurança, com vista a colocar a temática em primeiros plano nas agendas nacionais e contribuir para uma melhoria do compromisso dos estados neste âmbito.

O estudo está focado em cinco pilares – legal, técnico, organizacional, desenvolvimento de capacidades e cooperação. Porém, não mede o nível de preparação dos países para responder a ciberataques. Para cada um dos pilares, a organização realiza uma série de perguntas sobre 25 indicadores.

Top 10 – Ranking da Europa

Reino Unido, França, Lituânia, Estónia, Espanha, Noruega, Luxemburgo, Holanda, Georgia e Finlândia

Top 10  – Ranking Mundial

Reino Unido, EUA, França, Lituânia, Estónia, Singapura, Espanha, Malásia, Canadá e Austrália